4 de jun de 2011

Feijão Sem Segredos

Cultivado no México há cerca de 7 mil anos antes de Cristo, o feijão foi difundido em outras regiões do planeta por guerreiros e exploradores. No Brasil, há relatos de sementes encontradas em sítios arqueológicos que datam mais de 2 mil anos. Hoje, somos o maior produtor mundial. Em 2010, foram comercializados no país cerca de 3 milhões de toneladas das espécies Phaseolus Vulgaris, conhecido como feijão comum, da qual fazem parte as variedades carioca, preto, rosinha, entre outras, e Vigna Unguiculata, popularmente chamado de feijão-de-corda, que engloba os tipos fradinho e sempre-verde. Embora cada região brasileira tenha uma preferência, o campeão de consumo é o tipo carioca, com 70% de aceitação popular, seguido pelo preto (15%).

Além de seu sabor, a popularidade do grão deve-se também a seus benefícios nutricionais: fonte de carboidratos, proteínas, fibras e minerais, como o ferro e o fósforo. Combinado com o arroz, a dupla fornece aminoácidos essenciais para o organismo. por isso, no mesmo prato, são classificados como "par perfeito".



Como Comprar - Os grãos devem estar limpos, brilhantes e uniformes em relação ao tamanho e à coloração. Observe a data de validade na embalagem e não compre se apresentar buracos ou outras imperfeições.





Como Conservar - Mantenha-o em local seco e protegido de luminosidade. Depois de cozido, guarde-o em pote tampado, na geladeira, por, no máximo, três dias. Se preferir, congele por até dois meses, porém, só leve o alimento para congelar quando estiver em temperatura ambiente, caso contrário sua textura pode ser afetada.



Como Consumir - O feijão-carioca, cozido e temperado, faz parte do cardápio diário do brasileiro. já o preto, preferido nos estados do Rio de Janeiro e da Bahia, é indicado para feijoada. As regiões Norte e Nordeste utilizam muito o fradinho, sobretudo para elaborar o acarajé e saladas, e o feijão-de-corda sempre-verde na preparação de sopas, caldinho e baião de dois. Nos estados de Mato Grosso, Pará, Goiás e São Paulo predomina o tipo rosinha, que ganha preferência cozido, já que seu grão absorve bem os temperos. os grãos maiores, como o tipo branco, são recomendados também para saladas, além de cassoulet e sopas.


Feijão-preto: Muito usados em sopas e feijoadas, possui grão pequeno e de coloração escura;
Feijão-roxinho: Presta-se bem para saladas, sopas e como acompanhamento;

Feijão-fradinho: O grão é miudo e bege com uma mancha preta no centro. Também conhecido como feijão-macassar, usado no preparo de acarajé, saladas entre outros;
Feijão-mulatinho: bom para acompanhamento, embora em algumas regiões seja usado para feijoada; Feijão-branco: Para sopas e saladas, também fica excelente em cozidos, tem grãos graúdos e alongados e cor bem clara;
Feijão-jalo: Ótimo para sopas e saladas;
Feijão-rajadinho ou feijão-verde: Próprio para acompanhamento;
Feijão-canário: Também para acompanhamento;

Feijão-carioca: É a variedade mais cultivada e consumida pelos brasileiros, tem grão pequeno com coloração bege e estrias marron;

Feijão-rosinha: Para acompanhamento, um dos tipos mais consumidos. Apresenta grão pequeno e de coloração rosada;

Feijão Azuki: Cultivado extensivamente nos países orientais como Japão e China. Estes grãos são pequenos no tamanho, na cor vermelha, de forma redonda com sabor doce e são apontados a partir de um lado. Devido ao seu sabor doce, esses grãos são usados para fazer pasta doce de feijão

Aposte na versatilidade desse grão para criar pratos saborosos e muito nutritivos ...



Fontes: Embrapa, Nestlé.